A pílula do dia seguinte, também conhecida por pílula de emergência ou pílula pós-coito, é um método seguro e eficaz para a prevenção de gestação não planejada. Deve ser usada em condições excepcionais de sexo desprotegido, falha de um método (rompimento de preservativo ou pílula esquecida, por exemplo) ou quando uma mulher foi vítima de uma relação sexual contra a sua vontade (estupro). 

 

Como é a pílula do dia seguinte?

Dentre os métodos hormonais usados na contracepção de emergência, é possível destacar a pílula de levonorgestrel, que é a mais utilizada. O comprimido de levonorgestrel inicialmente foi utilizado em um regime de duas doses (dois comprimidos de 0,75 mg tomado com intervalo de 12 horas), entretanto, devido ao risco de esquecimento ou retardo na tomada da segunda dose, atualmente é utilizado em regime de dose única (um comprimido de 1,5 mg tomado uma única vez). 

 

Como usar a pílula do dia seguinte?

A pílula de emergência deve ser usada o quanto antes após uma relação sexual desprotegida, visto que sua eficácia diminui progressivamente à medida que o tempo passa. Após 72 horas da relação sexual, seu efeito já deixa de ser satisfatório. Deve ser tomada, preferencialmente, em dose única. A dose única simplifica a administração do contraceptivo de emergência, sem promover aumento dos efeitos colaterais, além de eliminar o risco de esquecimento ou retardo na tomada da segunda dose da pílula. 

 

Como funciona a pílula do dia seguinte?

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a pílula do dia seguinte não é abortiva, pois seu efeito no organismo da mulher ocorre antes mesmo da ocorrência da gravidez. O comprimido de levonorgestrel em alta dose inibe a ovulação, caso esta ainda não tenha acontecido. Se a ovulação já aconteceu, o medicamento age dificultando o encontro do espermatozoide com o óvulo. Contudo, se a fecundação ocorrer, seu uso não causará nenhum efeito nocivo à mulher ou ao embrião.

 

Quais os efeitos da pílula do dia seguinte?

Os efeitos colaterais da pílula do dia seguinte são relativamente leves e podem incluir náuseas, vômitos, cefaleia e tontura. Além disso, outros efeitos colaterais podem se manifestar, tais como inchaço, dor pélvica e sangramento fora do período menstrual.

 

Existe risco em usar a pílula do dia seguinte?

Embora a dose hormonal seja mais elevada que a das pílulas convencionais, a pílula do dia seguinte é segura e adequada para todas as mulheres em idade reprodutiva. Devido à natureza de curto prazo do uso deste método, não há situações clínicas que tornem a pílula do dia seguinte uma ameaça à saúde da mulher. No geral, a única condição onde o método não deve ser indicado é na suspeita ou confirmação de gravidez.

 

O uso repetitivo da pílula do dia seguinte diminui o seu efeito?

Usar a pílula do dia seguinte mais que uma vez por ciclo ou de forma repetitiva não reduz a sua eficácia. Entretanto, esse uso repetitivo não é uma prática recomendada, uma vez que a sua eficácia é menor que a de outros métodos hormonais. 

 

Posso escolher a pílula do dia seguinte como meu método contraceptivo rotineiro?

A pílula do dia seguinte não deve ser considerada para substituir a pílula anticoncepcional convencional. Para se evitar uma gravidez, deve-se recorrer a outros métodos anticoncepcionais tradicionais. Depois de usar a pílula do dia seguinte, o ideal é aguardar a menstruação para voltar ao método anticoncepcional tradicional. O ginecologista é o profissional indicado para auxiliar a mulher nessa escolha.