A trombose venosa é um assunto que gera muitas discussões e preocupações entre as mulheres. As razões são as diferentes situações que a mulher vive durante a sua vida, que podem envolver maior risco de desenvolver o tromboembolismo venoso (TEV). Que ocorre, por exemplo, em condições como a gravidez, o puerpério (período pós-parto) e a própria menopausa. Além disso, o uso de anticoncepcionais hormonais combinados (AHCs) durante a fase reprodutiva (menacme) e da terapia hormonal (TH) na pós-menopausa também se associam a um maior risco de trombose.

O TEV ou trombose venosa é uma doença rara, na qual se forma um coágulo de sangue dentro de uma veia. Geralmente nas veias das pernas, originando a Trombose Venosa Profunda (TVP), mas que podem se soltar deste local e migrar para outras áreas do corpo, como por exemplo para os pulmões, ocasionando o Tromboembolismo Pulmonar (TEP). 

Além das condições de risco já mencionados (gravidez, puerpério, menopausa, TH e uso de AHCs), adicionalmente à predisposição genética (trombofilias hereditárias), a idade, obesidade, imobilidade e cirurgias também são reconhecidos como fatores de risco para trombose. Para critérios de comparação, o uso de AHCs ou de TH aumenta o risco de TEV em aproximadamente duas vezes. O que equivale dizer que o risco absoluto é menor que 1 caso para cada 1.000 usuárias. Já na gravidez, o risco aumenta cinco vezes, levando a um número expressivo de cerca de 2 casos a cada 1.000 partos.

Isso se explica, porque na gestação estão presentes fatores que interferem na circulação do sangue nas veias (compressão do útero gravídico sobre a veia cava e ilíaca) e na coagulabilidade sanguínea pela ação hormonal. Vale lembrar que: o risco é maior ainda no puerpério, podendo chegar a um aumento de 20 vezes. 

A obesidade e a idade avançada são outros importantes motivos de risco para TEV, principalmente quando associados com o período gestacional, uso de TH ou de contraceptivos orais combinados (COC). O risco cresce à medida que o índice de massa corporal (IMC) ou a idade aumentam. As viagens longas de avião também são consideradas como grande risco para TEV.

Por fim, são diversas as situações que podem levar uma mulher a desenvolver trombose e, no geral, quando ocorre, uma combinação de fatores está presente. O recomendado é sempre buscar aconselhamento médico para o uso de anticoncepcionais e ficar atenta aos sinais e sintomas que podem surgir fora ou durante uma gravidez.